ENTREVISTA: Irmã Luzia Barbosa celebra 50 anos de vocação religiosa



No dia 8 de dezembro é celebrado o Dia da Imaculada Conceição de Maria Santíssima. Na Vila São Cottolengo, foram celebrados também os 50 anos de vocação religiosa da Irmã Luzia Barbosa, que integra o grupo das Irmãs Filhas da Caridade de São Vicente de Paulo. É meia década de dedicação ao próximo. Confira na entrevista:

1.     Como e quando a senhora começou a vida em Cristo?
Desde o seio materno Deus já pensava em mim, tinha um projeto maravilhoso para eu seguir!

Em 1958, aos 14 anos de idade, vim à Romaria de Trindade e visitei a Vila S.José Bento Cottolengo, conheci a Irmã Suzana Queiroz, primeira Diretora e demais Irmãs. Todas chamavam a atenção pelo testemunho da vivência de pobreza, acolhimento, dedicação, disponibilidade, FÉ, humildade, simplicidade, caridade no serviço junto às pessoas com deficiências. Virtudes peculiares a São Vicente.  
Irmã Suzana encontrou-me dentro dos “Pavilhões” e dirigiu-se a mim dizendo: “Você vai ser Irmã!”. Respondi: “Como?” “Vim em Romaria com parentes e meus pais moram em Anicuns - Goiás.” “Preciso voltar e comunicar a eles.” Ela respondeu-me: “Escreva uma carta para a Provincial do Rio, Irmã Blanchot” e em seguida, deu-me o nome por escrito. “Vou buscar os seus documentos e conversar com os seus pais, inclusive convidá-los para se mudarem para Trindade e me ajudarem aqui.” E assim... a família reside até hoje em Trindade! 

Um tanto assustada, escrevi a carta e a resposta veio: “Venha o mais rápido possível.” Uma das Irmãs que se chamava Catarina foi ao Rio de Janeiro para o Retiro e levou-me. Lá, eu continuei meus estudos e aguardava a idade para ingressar no 1º Postulado em Botafogo, Colégio da Imaculada Conceição e 2º Postulado em Laranjeiras, Colégio Providência. Dia 01 de novembro de 1967 ingressei no Seminário – Tijuca, Rio de Janeiro, onde comecei a contar os anos de vocação na Companhia das Filhas da Caridade de São Vicente de Paulo.

2.    Como foi a trajetória até chegar à Vila São Cottolengo?
Éramos quatro irmãos. No período de 1987 – 1989 faleceram: um irmão e minha mãe. Atualmente, somos três. Duas irmãs, ambas, Filhas da Caridade e o último irmão estava com a esposa muito mal. Portanto, não tinha nenhum filho em casa para cuidar do meu pai já idoso e sozinho. Recorri ao Espírito Santo que me iluminasse e fiz um pedido aos Superiores: transferência da Província do RJ para a Província de BH.

Em 1991 fui liberada e meu pai pode ser acompanhado pelas duas filhas. Minha irmã veio de Brasília, eu do Rio de Janeiro, e prestamos serviços à Vila S.Cottolengo até o falecimento do pai em 1995. Seis meses depois, falece minha cunhada. 
Permaneci na Vila São Cottolengo de 1991 até o início de 1998.  Louvo a Deus por toda vivência, testemunho e experiências de amor vividos, partilhados nas Províncias do  Rio de Janeiro e  Belo Horizonte.  Permitam-me nomear as Comunidades das Províncias:

Rio de Janeiro
1. Educandário Romão de Matos Duarte – Flamengo 
2. Educandário da Misericórdia – Botafogo 
3. Instituto São Vicente de Paulo – Tijuca 
4. Externato Irmã Paula – Centro
5. Colégio da Imaculada Conceição – Botafogo 

Belo Horizonte
Meus primeiros momentos na Instituição, após muitos anos no Centro e Zona Sul do RJ, foram de adaptação a uma nova realidade. Mas, muito feliz, pois sempre digo a Deus e aos Superiores: “Irei para onde estiver precisando mais.” 
1.    1991 – Vila São José Bento Cottolengo – Trindade – Cuidar do meu pai e prestei serviços nas Unidades Educacionais como: Gerente - Cirandinha, Centro de Formação Vida Nova, integrado ao Colégio Prof. Helon Gomide, Centro de Ensino Especial São Vicente de Paulo; Direção do Cirandinha e Centro de Formação Vida Nova; Comissão da Pastoral Vocacional Regional e responsável pelos encontros vocacionais local; Comissão Técnica de Educação e Social da Província (atualizando documentos, encontros de formação continuada e orientações para Educadores); Diretoria da Vila. 
      - Escola de Enfermagem – Goiânia - Secretária
2.    Colégio Imaculada Conceição – Barbacena 
3.    Colégio Providência – Mariana 
4.    *Escola de Menores São Vicente de Paulo – Fazenda da Borda do Campo – Antônio Carlos - MG
5.    Vila São José Bento Cottolengo – Trindade 
*Antes de retornar à Vila, estive nove anos responsável por uma Escola (zona rural), com 300 alunos e da Comunidade Religiosa, ali foi para mim, um dos maiores desafios como Filha da Caridade. Era uma Escola de Tempo Integral e Integrada ao Município. Mantive a Instituição com a ajuda da Divina Providência, convênios e projetos elaborados, executados e a prestação de contas com a ajuda de uma auxiliar. De início não havia recursos financeiros nem para se pagar um motorista. Para se comprar o pão, teria que ir à cidadezinha a pé, distante 10 km (ida e volta) da Escola. 

De 2003 até o início de 2012 vivi em busca de ajuda financeira, mas o amor ao próximo falou mais alto e fui doando-me sem limites em prol da criança e adolescente, filhos de famílias em situação de risco pessoal e social. Deus abençoou a dedicação, doação sem medida de cada Filha da Caridade que optou por aquela missão e os frutos foram abundantes!

Em 2012, recebi a comunicação dos Superiores que seria transferida para a Vila S.Cottolengo, senti uma alegria imensa e agradeci muito a Deus, pois sempre desejei estar com os mais vulneráveis. 

Até o ano de 2015, a Vila possuía duas Unidades Educacionais, onde prestei serviços simultaneamente, atendendo as solicitações de ambas. Quando o Centro de Formação Vida Nova tornou-se escola extinta, pude me dedicar, zelar mais pelo Centro de Ensino Especial S.Vicente de Paulo com uma média de 300 alunos dos Projetos: Refazer, ASI (Autonomia, Socialização e Interação) e Precoce. É uma Unidade conveniada com o Estado e mantida pela Vila. Possui 62 profissionais, entre eles, Secretária, Coordenadoras, Professoras (todas com Curso Superior), Cuidadores, Serviços Gerais, Vigias (vinculados aos Estado) e a Diretora que é indicada pela Instituição. Atualmente atuo na Unidade Educacional da Vila e Diretoria. Nestes seis anos colaborei com algumas atividades como: CMDCA, AIC e responsável pelas Capelas da Vila.

3 - Como é ser uma das Irmãs Filhas da Caridade da Vila São Cottolengo? Qual o significado deste trabalho?
É uma riqueza! Quanta experiência, quantas partilhas, alegrias, quanta aprendizagem, quantos desafios e quanta felicidade vivenciada nesta e em todas as Comunidades por onde passei. Agradeço sempre pela escolha que o Senhor fez, chamando-me ao Seu serviço.
Para mim, significa sentir o quanto a força de Deus me conduz, Sua mão me guia, protege, enfim, Deus cuida de mim, cuida de nós com carinho e proteção.

É recolher os momentos preciosos ao longo dos 50 anos de vida de doação a Deus e aos pobres, na oração, na vida fraterna e na missão! 

4. A senhora sempre trabalhou na Educação? 
Desde os meus dez anos de idade, quando comecei alfabetizar os filhos dos funcionários numa Escola Fazenda, de uma tia. Mas, passei por diversos Setores: Educacional, Social e Pastoral. E aqui, Vila São Cottolengo, embora intitulemos atualmente, Saúde, integramos nesta mini-cidade (Vila), as três áreas, o que para mim é uma das maiores riquezas de experiências como Filha da Caridade. Aqui preciso estar atenta a todas as exigências legais de uma Instituição com este porte.

5. O que mais a emociona neste trabalho? Podemos dizer que é um chamado de Deus?
O AMOR a Deus e ao próximo mais vulnerável, que são as pessoas com deficiência. Aqui se vive a fé, a esperança, a caridade, a humildade e a simplicidade numa Comunidade (Vila), sempre repletos da presença amorosa de nosso Deus Bondoso, Cuidadoso e Providente!

Com certeza é um chamado especial de Deus.  Aproveito para agradecer pela escolha que o Senhor fez, chamando-me ao seu serviço. Agradeço-O pelo chamado à vida, à minha família tão generosa entregando duas filhas aos cuidados de Deus para o serviço do pobre espiritual, material e que ELE sempre esteve presente. Minha gratidão às pessoas que me ajudaram a escrever minha história, à Companhia que me acolheu, às duas Províncias do RJ e BH tão cuidadosas, zelosas, oportunizando crescimento em todas 

6. A senhora está completando 50 anos de fidelidade à vocação de Filha da Caridade. O que isso significa?
Celebrar 50 anos de Vida Consagrada como Filha da Caridade de São Vicente de Paulo significa:
- Fazer memória e ao mesmo tempo olhar para frente, prosseguindo na resposta do chamado de amor no dia a dia e de momento a momento. 
- Reassumir a missão no compromisso generoso da Vida Consagrada.
- Revitalizar o compromisso de discípula de Jesus.
- Reconhecer que o chamado de seguir Jesus Cristo é dom gratuito.
- Renascimento no amor por Aquele que me escolheu com predileção – Deus Pai Eterno. 
- Recordar que foi uma caminhada de profunda alegria, contudo, não sem experimentar a Palavra do Mestre Jesus Cristo:” Quem me segue, tome a sua cruz”! 
-  Experiência de quem já fez uma caminhada de 50 anos de “estar com Jesus, a Virgem Maria e os Fundadores” e assumiu o projeto Sagrado por meio da Companhia, das duas Províncias, das Comunidades, na vivência do carisma de São Vicente de Paulo e Santa Luiza de Marillac.
- É graça sobre graça. Deus está sempre comigo e além da história, Ele permanece fiel.
- A minha âncora está na Palavra de Deus: “Posso tudo Naquele que me fortalece”! “ Fazei tudo o que Ele vos disser.”, “Os pobres são meus Senhores e Mestres.” “Os pobres nos evangelizam“. “Deus cuida de mim, cuida de nós com carinho e proteção.” “Para Deus nada é impossível.” “Eis-me aqui.” (Palavras de vida)

7. A senhora se sente realizada? Pretende seguir neste caminho até o fim da vida?
Sim, mas é preciso estar sempre num processo de conversão, de crescimento espiritual e como diz S.Paulo aos Cl 3,14 “Revesti-vos do amor que é o vínculo da perfeição” e “QUEM PÕE A MÃO NO ARADO E OLHA PARA TRÁS NÃO É DIGNO DE MIM” (Lc 9,62).  Portanto, a minha missão aqui na terra terminará quando Deus assim o quiser. Sou muito grata a ELE pelo chamado ao Carisma Vicentino, inclusive, é uma graça muito grande comemorar os 25 e 50 anos de vida doada a Deus numa missão onde os deficientes são prioridade e estou completando 13 anos a serviço aos mesmos na Vila São Cottolengo. “Maravilhas fez o Senhor por nós!”

Para mim, os 50 anos de Vida Consagrada não representam qualquer coisa. É data inesquecível! É um momento de muita alegria, quando maravilhas vieram à tona. É emocionante acolher e ser acolhida pela minha família, a família Comunidade, representantes do Conselho Provincial, os Padres Redentoristas da Diretoria da Vila, Amigos, Colaboradores, colegas de trabalho e meus Senhores e Mestres (os internos e externos do CEESVP) para uma Celebração tão festiva! Toda a preparação para mim deixou ou ressignificou MUITA VIDA. “O tempo dado a Cristo, nunca é tempo perdido, mas tempo conquistado para a profunda humanização das nossas relações e da nossa vida” 
Sou muito feliz por comemorar, celebrar, 50 anos de Vida Consagrada em 2017, ano em que a Família Vicentina comemora os 400 anos do Carisma Vicentino e no Brasil os 300 anos da Aparição de Nossa Senhora Aparecida. Minha gratidão às duas Províncias que me acolheram e a todas as pessoas com as quais cresci na espiritualidade, como pessoa, como Filha da Caridade. 

8. Se a senhora pudesse resumir tudo o que já viveu na Vila e tudo que a Vila significa para a senhora em 3 palavras, quais seriam?
GRATIDÃO, AMOR, ESPERANÇA.
 



Anexos


Formas de doação


Site desenvovido por SiteCraft