fbpx
About Us
Lorem Ipsum is simply dummy text ofering thetonat sunrising printing and typesetting industry seo is partysipati carma. Lorem Ipsum is simply dummy,
Follow Us
SIGA A VILA NAS REDES SOCIAIS

Blog

Capacitismo: situações em que somos preconceituosos – veja o que é

Vamos falar sobre capacitismo. Com certeza você, em algum momento, já ouviu alguém dizendo algo como: “Tem gente que não tem perna e trabalha e você ainda reclama da vida” ou “Nossa, mesmo deficiente ele (a) consegue fazer tudo”.

Essas e outras frases são bastante comuns no universo de assuntos relacionados às pessoas com deficiência. Mas elas também carregam consigo uma carga pejorativa, além de ser uma das formas de manifestação do capacitismo.

O capacitismo é o ato de entender que a pessoa com deficiência é incapaz ou inferior à pessoa sem deficiência, e simplesmente o fato de ela executar tarefas corriqueiras a torna uma espécie de herói, exemplo, coragem e inspiração para que pessoas sem deficiência se sintam agraciadas pelo “privilégio da vida normal”. O capacitismo é um preconceito e uma discriminação velados.

 

Por que existe o capacitismo?

Porque estamos inseridos em uma sociedade em que o preconceito com tudo aquilo que foge ao “normal” é enraizado e cultural. Apesar de existir um termo específico para se referir às pessoas com deficiência, estas não devem jamais ser reduzidas à condição funcional de seus corpos.

Cada pessoa tem muitas outras características que, juntas, compõem sua identidade. Além disso, pessoas com deficiência têm autonomia, capacidade de trabalhar e tomar decisões, o que não é diferente das demais.

O capacitismo, portanto, coloca a deficiência em evidência justamente por aceitarmos, ainda que de maneira inconsciente, o significado imposto de pessoa normal.

Psicólogo Vila São Cottolengo

Psicológo Saymon Ferraz com paciente da Unidade João Paulo.

O psicólogo especialista em neuropsicologia, Saymon Ferraz, atua na Vila São Cottolengo e explica como o conceito arraigado de corponormatividade (um modelo de corpo considerado padrão e apto) pode influenciar as abordagens capacitistas.

“Em um programa de reabilitação, por exemplo, a ideia é sempre trabalhar as funcionalidades dentro do plano terapêutico, justamente para que ela se torne o mais autônoma possível, porque independente da deficiência, ou seja, ainda que em condições físicas adversas, essa pessoa tem uma capacidade”, argumenta Saymon.

Nesse sentido, o capacitismo aparece, inclusive, de forma velada: “É quando a gente tenta fazer tudo por ele por já acreditar que a pessoa não consegue fazer, devido a sua limitação. Situação bastante comum é quando uma pessoa faz uma pergunta para o acompanhante da pessoa com deficiência, mesmo quando essa teria totais condições de responder”, exemplifica.

 

Inconsciente coletivo: Coitadinhos ou guerreiros

No início deste artigo, começamos com dois exemplos de frases capacitistas amplamente utilizadas, e que refletem justamente o que figura no imaginário coletivo da maioria das pessoas: um sentimento de dó que coloca a pessoa com deficiência como coitadinha ou uma hipervalorização de suas trajetórias de vida, abrindo espaço para que elas sejam vistas como guerreiros natos.

Por que a gente considera que uma pessoa com deficiência alcançar um certo status na sociedade é algo extraordinário? Porque a gente vive em uma sociedade preconceituosa, capacitista, em que a gente não espera muito dessas pessoas.

Assim, ser uma pessoa com algum tipo de deficiência em uma sociedade estruturada por e para pessoas sem deficiência a torna automaticamente um herói, uma heroína que “enfrenta a vida” e que por isso é digna de pena, mas, ao mesmo tempo, inspira!

A ideia de superação/inspiração pode, muitas vezes, manifestar um preconceito capacitista. O paradoxo é cruel.

Para Ferraz, as pessoas confundem os sentimentos.

“Existem dois lados. Nós precisamos entender a diferença entre pena e empatia. Ter empatia significa entender e reconhecer as dificuldades das pessoas com deficiência, mas dentro de um contexto que é colocado pela própria sociedade, que vão de acessibilidade a políticas públicas, o que é muito diferente de ter dó por alimentar um preconceito em relação à capacidade dessas pessoas”, esclarece.

Para ele, a informação correta e de qualidade é o início para uma mudança de paradigma, já que muitas vezes, o preconceito se mostra de forma inconsciente: “A ideia é que através da informação isso comece a mudar. Quanto mais as pessoas se informam, mais elas entendem sobre a real capacidade deste grupo e mais elas deixam de ser capacitistas”.

E complementa: “É um desejo intrínseco do ser humano ter a sua autonomia preservada, exercer as suas capacidades e, por mais que, na maioria das vezes, essas abordagens são até no sentido de ajudar, o que acontece é que causa um sentimento de exclusão na pessoa que vive a abordagem capacitista. Todo mundo quer fazer aquilo que se sente capaz e nós precisamos integrar e não excluir”.

Paciente banda Vila São Cottolengo

Paciente Igor da Banda Inclusiva Luar.

 

Casos de Capacitismo / O que evitar

  • Lidar com a pessoa com deficiência como se ela fosse uma coitada, ou necessitasse de um conserto. Achar que ela é merecedora de pena.
  • Criar uma visão de que a PCD é um anjo inocente e que não sente raiva, tristeza, frustração, etc.
  • Infantilizar a pessoa com deficiência.
  • Tratar a pessoa com deficiência como um herói, como se o mundo não fosse feito para ela e que ela é muito corajosa de sobreviver. Nesse caso, o problema de assumir essa posição é que isso afirma que quem é a peça sobrando é a PCD, sendo que o incorreto são os espaços públicos, pois só foram projetados para o uso de pessoas de corpo e atitudes “padrão”.

 

Frases capacitistas

  • Que bom que, apesar de tudo, você está sempre feliz!
  • Você é um anjo por estar passando por isso!
  • Você tem um filho especial porque você é especial!
  • Foi coisa divina! Às vezes se fosse normal, estava dando trabalho para os pais!
  • Ele (a) é deficiente, mas até que é bem ativo (o)!
  • Nooossa! Como ele (a) é inteligente!

 

O que pode acontecer com quem é acusado de capacitismo?

A pessoa que responde por praticar, induzir ou incitar discriminação a pessoas com deficiência está sujeita uma condenação a prisão de 1 a 3 anos, além de multa. A pena aumenta em um terço se a vítima estiver sob cuidado e responsabilidade do acusado. O infrator é enquadrado artigo 88 da Lei 13.146/2015.

Quando o crime é cometido por intermédio de meios de comunicação social ou de publicações de qualquer natureza, a punição passa para 2 a 5 anos de reclusão e multa. Nestes casos, o juiz pode ainda determinar recolhimento ou busca e apreensão dos exemplares do material discriminatório e a interdição das mensagens ou páginas de informação na internet.

O material apreendido pode ser destruído após o julgamento final da causa. A vítima também pode pedir indenização por danos morais ou materiais.

Carolina Simiema

 

Sem Mensagens

Deixe uma Mensagem